Você já parou para pensar o que faz um balão de ar quente voar?
É o mesmo princípio que mantém a comida congelada nas geladeiras das quitandas e supermercados que permite um balão a ar quente voar.
É um princípio muito simples: ar quente sobe e ar frio desce. Enquanto o ar super frio originado no seu congelador envolve a comida nas prateleiras abaixo, o ar quente dentro do balão sobe e empurra o balão para cima, mantendo o balão flutuando.
Um balão a ar quente é subdividido em 3 partes principais: o envelope, o maçarico e o cesto.
O cesto é onde os passageiros voam. Usualmente é feito de vime, protege os ocupantes, além de ser leve e flexível.
O envelope é a parte de tecido colorido que mantém o ar quente.
Quando o ar dentro do envelope é aquecido, o balão flutua.

O maçarico é posicionado acima da cabeça dos passageiros e produz uma enorme chama para aquecer o ar dentro do envelope.

Para descer o piloto deixa o ar esfriar e o balão se torna mais pesado que o ar. O piloto tem o controle total dos movimentos para cima e para baixo controlando a temperatura do envelope.

Uma vez em voo, os balões flutuam no vento. É verdade que o piloto não sabe aonde o balão vai pousar com antecedência, mas isto não significa que ele não tenha o controle do voo e do pouso.

Antes de decolar o piloto sabe a direção em que o vento está soprando e consequentemente sabe a direção que o balão irá. O ar é formado por várias camadas que se movimentam em diversas direções. Mesmo que o piloto não possa dirigir o balão para esquerda ou para direita, ele pode subir e descer buscando as diferentes camadas de ar/vento para que o balão mude de direção.

Durante o voo o balão é seguido pela equipe de resgate. O piloto mantém contato com sua equipe através de rádio, orientando-os para que a equipe sempre chegue junto com o balão quando este faz o pouso final. Toda esta perseguição é uma aventura em si.

Depois do pouso, a equipe empacota o balão e os equipamentos no carro de resgate e todos retornam para o local de decolagem.